Economia da colaboração: Wikinomics

Terminei a leitura do livro Wikinomics, lançado em português em 2007. Uma boa leitura, muita informação que considero complementar ao O mundo é plano, que já comentei aqui no blog. As mudanças provocadas pela internet e sua capilarização pelo mundo afora, banda larga, convergência digital, geração net, etc., estão começando a afetar os negócios tanto nas grandes quanto nas pequenas empresas. O livro aponta quatro princípios da economia da colaboração: abertura, peering, compartilhamento e ação global.

Abertura aponta para aumento de sucesso nos negócios e sustentabilidade para as empresas que se dispuserem a disponibilizar seu conhecimento, plataformas, patentes e direitos a terceiros, organizados em redes de colaboração em que a principio todos ganham. O exemplo de sempre é o modelo de desenvolvimento do software livre, que está aos poucos contaminando (no bom sentido) as empresas. A base do software livre, denominada LAMP-Linux, Apache, MySQL, PHP, é o melhor exemplo de sucesso de abertura e colaboração (uma nota: MySQL foi comprado pela SUN nesse inicio de 2008). Os setores da indústria que não reconheceram essa mudança e ainda usam modelos de negócios da era industrial como a indústria fonográfica por exemplo, ainda estão apanhando da evolução sem conseguir enxergar o novo caminho a seguir.

Peering, ou julgamento e classificação pelos pares, já é uma prática conhecida no mundo acadêmico, mas aparece com muito mais força e muito mais aberta na economia da colaboração. O modelo de pontuação adotado pelo site de noticias sobre tecnologia e avanços científicos Digg é um exemplo de peering. Milhares de colaboradores buscam e postam no Digg notícias, fatos, artigos sobre tecnologia e ciência, a cada segundo. O material disponibilizado é acessado e lido pelos internautas, que avaliam o artigo e atribuem ou retiram ponto da postagem. As noticias com maior pontuação no momento, vão para a primeira página do Digg, e esse é o prêmio para quem postar a melhor notícia: ver a sua postagem na primeira página, com referência explicita para o autor da postagem. A primeira página é dinâmica, configurada na medida em que as postagens vão sendo avaliadas. Esse modelo de julgamento pelos pares tende a ser adotado com as devidas e necessárias adaptações em outros setores da economia, inclusive no acadêmico onde o velho modelo de análise e julgamento de artigos pelos pares está em parte ultrapassado, funcionava bem quando as comunidades científicas eram pequenas e o mundo ainda não era plano.

Compartilhamento, um principio que aposta no coletivo para ter mais sucesso para todos. O compartilhamento é um dos caminhos de sucesso na nova economia, e o modelo seguido é o da Wikipedia (wiki significa rápido em havaiano) e seu fantástico sucesso, superando os melhores exemplos herdados da economia do século passado. O sucesso da Wikipedia é baseado no compartilhamento de conhecimento e na prática da colaboração anônima, pelo puro prazer de colaborar. Os Wikis, software que permitem essa colaboração, têm sido usado largamente em empresas, como um repositório comum e colaborativo para resolução de problemas, discussão de projetos e soluções, e outros temas. Permite a integração de equipes remotas, e o conhecimento fica registrado em um local unificado, a que todos têm acesso.

Ação global, apontando para a questão da visibilidade permitida e forçada pela internet. Querendo ou não, as empresas são globais e a colaboração tem que ser global, para que produza os efeitos desejados. Extraindo direto do livro (pag. 41): A nova globalização causa, e ao mesmo tempo é causada por, mudanças na colaboração e na maneira como as empresas orquestram a capacidade de inovar e produzir coisas. Permanecer globalmente competitivo significa monitorar internacionalmente as mudanças nos negócios e utilizar um parque de talentos globais muito mais vastos. Alianças globais, mercados de capital humano e comunidades de peering possibilitarão o acesso a novos mercados e tecnologias. Será necessário gerenciar os ativos humanos e intelectuais em várias culturas, disciplinas e fronteiras organizacionais. As empresas vencedoras terão de conhecer o mundo, inclusive os seus mercados, tecnologias e pessoas. Aqueles que não o fizerem se sentirão deficientes, incapazes de competir em um mundo empresarial que é irreconhecivel segundo os padrões atuais.

Vários sitios são utilizados como exemplo no livro, todos muito interessantes, impossivel listar todos aqui. Os que me chamaram mais atenção foram: arXiv, Craiglist, Pentaho, Innocentive, Yourencore, Newparadigm, MAKE, Bioinformatics e mais um monte. Todos apontam para sitios na web onde a colaboração, peering, abertura e ação global são os pontos fortes. Para perceber isso com clareza, é necessário acessar os sitios e explorá-los com atenção para perceber a proposta de cada um. Abri no meu del.icio.us uma tag, Economics, onde armazenei os links acima e mais vários outros, que continuam pipocando.

O sitio do Wikinomics tem muita informação adicional, não deixem de acessar o blog deles. Claro, como nem tudo são flores, tenho algumas críticas ao livro, mas nada muito pesado. Achei o livro muito repetitivo principalmente nos capitulos finais, talvez devido ao meu conhecimento prévio sobre o assunto. Também não vi comprovação baseada em dados do que está afirmado e descrito por lá. Os autores fizeram pesquisa bibliográfica extensa e se basearam na própria experiência, e mostram apenas tendências tecnológicas e sociais, mas nada com base científica (pelo menos não demonstraram isso no livro). E, finalmente, a tradução está de sofrível a ruim, parece que foi feito por tradutor automático. Muito termo traduzido errado e fora de contexto, o que compromete o entendimento para o leitor mais desavisado, exigindo mais atenção na leitura.

wikinomics.jpgDon Tapscott, Anthony D. Williams. Wikinomics: como a colaboração em massa pode mudar o seu negócio. Ed. Nova Fronteira, 2007

Anúncios

Consultor Independente, Treinamento Empresarial, Gerência de Projetos, Engenharia de Requisitos de Software, Inovação. Professor Titular Aposentado, Departamento de Informática, Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais, Brasil. Doutor em Informática, PUC-Rio, 1990. Pós-Doutoramento, University of Florida, 1998-1999

Publicado em Economia, Livros
2 comentários em “Economia da colaboração: Wikinomics
  1. Ruy Burgos disse:

    Prezado,
    Gostei do livro, acho que as tendências apresentadas consituem-se forças importantes que estão moldando nossa economia e comportamento atuais, mas assim como você tenho uma crítica. Os autores afirmam que o livro é resultado de uma pesquisa de 5 anos e U$9 milhões mas não explicam em nenhum momento a metodologia utilizada. Realmente, apresentaram exemplos excelentes, mas nada com base científica.
    abs,
    Ruy Burgos

    • De fato, eles não falam de metodologia. E o projeto deles continua no sitio do Wikinomics, sempre tem alguma coisa nova. Mas o livro permite enxergar muitas tendências e coisas antigas sob novos olhos, que considero o mais importante: quebra de paradigmas. Obrigado pela visita,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: