OLHO VIVO NAS MUDANÇAS… – Aula da saudade – Julho de 2012

“No estudo ou na doideira, em julho eu tomo a saideira”

Esta vai ser uma aula da saudade estranha, porque as festas de formatura estão sendo realizadas sem a formatura. Greve das universidades já longa, o semestre letivo não foi terminado, e as disciplinas ainda vão correr depois que a greve terminar. Muitos vão participar das festas, mas estão agarrados com os terrores Física 3, Cálculo 2, e mais um punhado de outras. E dentre as outras, ainda tem gente agarrado com disciplina específica do próprio curso, e considero isso mais grave.

Tenho escrito algumas postagens aqui no blog, notoriamente as três mais recentes sobre Arquitetura (Arquitetando, Arquiteto e Arquitetura do software), para mostrar um caminho da evolução da carreira na computação. Como já previsto há mais tempo, o foco de desenvolvimento da área tende a ficar nas atividades mais nobres, mais relacionadas com o design, do que com a codificação que tende a ficar semi-automatizada (ou até totalmente automatizada). Pelo uso de geradores de código inteligentes, capazes de receber como entrada uma especificação UML (com um nível de detalhes que permita a geração de código) e gerar, a partir desta especificação, o código para execução da mesma. E não achem que isso só vai acontecer no futuro, já está acontecendo agora, e a carreira de programador tende a ir para o limbo e ser considerada commodity, baixos salários determinados pelo contratante e não pelo profissional. Temos exemplos em outras áreas, por exemplo na Engenharia, a carreira de Desenhista era valorizada, era um profissional indispensável para gerar na prancheta de desenho as plantas necessárias para levar adiante uma construção. O que foi feito dos desenhistas? não existem mais (rarissimas exceções), foram substituidos por software que permite o desenho das plantas diretamente no computador, e sua posterior impressão em impressoras especiais (plotters) de maior precisão, que geram as plantas dentro dos padrões técnicos exigidos.

Esses movimentos acontecem lentamente, aos poucos, e vocês têm que ser capazes de enxergá-los para não serem pegos de surpresa e ficarem na rua da amargura, tentando arrumar emprego em áreas que não interessam mais. Vejam, por exemplo, o recente interesse em processos de desenvolvimento de software associados com métodos ágeis, como o OpenUP (Open Unified Process), que além de ter características de Scrum na definição de seus ciclos iterativos, ainda inclui explicitamente uma disciplina de Arquitetura de Software, desenvolvida mais fortemente na sua fase de Elaboração. A Arquitetura está sendo elevada a outro nível de interesse, embora para quem conhece melhor a engenharia de software isso não seja surpresa nenhuma, pois sempre foi assim, só que ainda não tinha chegado ao mercado com essa força toda. E a arquitetura está tomando forma como uma disciplina forte, beliscando o design e colocando uma outra visão no desenvolvimento de software.

images Em um número recente da Information Week, apareceu uma reportagem com o título Software Engineer: 2012´s Top Job, que dá uma ideia de como a evolução está acontecendo. Em meio à enorme e crônica falta de mão de obra mundial na área de TI, principalmente nos níveis mais altos (Engenheiro de Software, Arquiteto de Software, Arquiteto de Dados…), o artigo enaltece o engenheiro de software colocando  os pontos que tornam a profissão atraente, com salários em torno dos US$100.000,00 anuais, o que não é pouco em lugar nenhum do mundo: 1-Tempo flexível (tons of flex time); 2-Bons colegas de trabalho (cool colleagues); 3-Ambiente de trabalho baseado em equipes (A team-oriented work environment);  4-Oportunidades para ser criativo (A chance for creativity) e 5-Liberdade para falhar (Freedom to fail), "A lot of what we do is about failing, doing something wrong and then going back and looking at the problem again," said Janofsky. "Our work is a puzzle and that’s a great part of the job that’s often not seen or understood."   Claro, tudo é questionável e certamente não será encontrado por aqui tão cedo, isso se refere ao mercado estadunidense. Mas alguém duvida de que em pouco tempo vai estar pipocando por aqui também?

Saindo um pouco da área técnica, e passando para a carreira, o último número da VocêS/A (edição 169 – Julho 2012) traz uma reportagem muito interessante, que recomendo que vocês leiam: Que  tipo de profissional é você? A partir de 12 caracteristicas que constituem o perfil de todo profissional: Determinação; Individualismo; Autonomia; Persuasão; Intuição; Persistência; Sociabilidade; Dependência; Obediência; Consideração; Objetividade; Sensibilidade, a reportagem traça e discute o perfil ideal para Analista, Gerente, Diretor e Presidente. O perfil é representado na forma de gráfico plano de 12 eixos (gráfico polar), e cada perfil é representado por uma área nesse gráfico, mostrando as influências de cada uma das 12 dimensões em cada perfil. Os perfis foram levantados a partir de pesquisa realizada no sitio de recrutamento Vagas, utilizando o teste Disc, preenchido por 1.3 milhão de profissionais qualificados (53% mulheres e 47% homens). Vale a pena a leitura e entendimento das dimensões e dos perfis derivados. Eles mostram um caminho que vocês podem utilizar como meta na vida profissional suas. (a figura do mug foi extraída deste site).

Para terminar, prestem também atenção na carreira de Cientista de Dados (Data Scientist), vejam a  publicação da NetworkWorld. Já é um profissional valorizado  no mercado, com base em armazenamento e recuperação de dados e informações, originado da Business Intelligence, com forte formação matemática e em algoritmos, com competência para conseguir minerar dados e relações para extração de informação valiosa para apoiar decisões complicadas. Confiram, pode ser por exemplo um assunto a ser desenvolvido em uma dissertação de mestrado!

Felicidades a todos, contem comigo para o que precisarem.

Possivelmente, esta será minha última aula da saudade na ativa, devo me aposentar no inicio do próximo semestre letivo. Vou continuar no DPI como aposentado-voluntário, atuando apenas no mestrado e no lato-sensu. 

(este artigo foi escrito por zeluisbraga, e postado no meu blog zeluisbraga . wordpress . com) (this post is authored by zeluisbraga, published on zeluisbraga . wordpress . com)

Consultor Independente, Treinamento Empresarial, Gerência de Projetos, Engenharia de Requisitos de Software, Inovação. Professor Titular Aposentado, Departamento de Informática, Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais, Brasil. Doutor em Informática, PUC-Rio, 1990. Pós-Doutoramento, University of Florida, 1998-1999

Marcado com:
Publicado em Carreira, Educação, Reflexões
3 comentários em “OLHO VIVO NAS MUDANÇAS… – Aula da saudade – Julho de 2012
  1. Flávio O. Sousa disse:

    Darwin sabia muito bem o que estava dizendo…

  2. Joao Roberto disse:

    “com forte formação matemática e em algoritmos”
    O pior é que todos têm consciência disto e no mestrado a disciplina projeto e análise de algoritmos não é obrigatória em viçosa. Se você observar no ranking Capes, os melhores cursos de mestrado do Brasil a disciplina PAA é obrigatória.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: