Eu, blogueiro

Recebi mensagem do WordPress no dia 8 de outubro, aniversário do blog. E eu que me lembro todos os anos, acabei me esquecendo desta vez, deve ter sido por causa das eleições presidenciais que estão me preocupando demais, SQN! Inaugurei este blog em outubro de 2006, já estamos com oito anos no trecho e na vida de blogueiro. Os números: 332 postagens, 2 páginas, 279.992 page views, 1469 comentários. As postagens campeãs de acessos: Cálculo renal de novo; Engenheiros de software: carreira e salários em altaEmprestar e seus usos errados. No aplicativo WordPress que uso no tablet Android, consigo ver uma estatística de visitantes por países de origem: Brasil, EUA, Cabo Verde, Moçambique, Espanha, Canadá, Inglaterra, França são os países de onde recebo acessos. Imagino que a disponibilidade de ferramentas como o Google Tradutor, o tradutor do Bing e outros, ajudou demais nessa internacionalização do blog. Mas, como não sei quem são os leitores, é muito possivel que sejam ex-alunos meus, ou alunos que estejam fora do país no Ciência sem Fronteiras. E leitores de Cabo Verde e Moçambique não precisam tradução, evidentemente. O blog é eclético, os temas são muito variados e as escolhas de artigos pelos leitores são surpreendentes. Por exemplo a postagem sobre cálculos renais, que são meus companheiros inseparáveis, recebe muitos acessos todos os dias, parece que se transformou em um artigo de apoio com informações interessantes para quem é da turma dos sofredores com cálculos renais. Mais de 200 comentários, pessoas aflitas que acabam achando algum conforto e informação, e links para informação de boa qualidade.

Tem sido um desafio muito interessante esse tempo todo, e que espero manter por muito tempo ainda. Desenvolver habilidade de escrever para um público anônimo e desconhecido em sua maior parte é um enorme desafio. A princípio o fato de ser professor e de estar acostumado a escrever textos técnicos e científicos não ajuda muito, ou não ajuda nada. Aqui no blog tenho que produzir uma postagem sobre um tema de interesse, que não pode ser longa demais para não cansar o leitor, tem que ter informação de qualidade, bons links que ajudem o leitor interessado na trilha do assunto em outras páginas e sítios, e com uma linguagem apropriada e acessível a todos. Procuro usar frases curtas como na escrita científica, tentando não produzir textos intragáveis como os de cunho científico. Minha meta sempre é atingir o máximo de leitores, agradando a pelo menos 70% de quem vem visitar o blog. Eu me preocupo tanto com a qualidade do que escrevo, que já estudei um pouco de estilos e gêneros de escrita adequados para o blog, e a crônica parece que é bem adequado para algumas postagens. Também procuro ler livros sobre autores e suas motivações para escrever, recomendo o excelente Ofício da Palavra, uma coletânea organizada por José Eduardo Gonçalves, publicado pelo Grupo Autêntica. E faço parte de alguns grupos de escritores amadores no GooglePlus, há vários muito bons. Não espalhem, mas de certa forma estou me preparando para escrever algum livro em breve, talvez até uma coletânea de artigos daqui do blog para começar a carreira de escritor.

Como é que escolho os assuntos para abordar aqui? Não tenho uma receita, é muito aleatório. Vai um pouco da minha disposição de escrever sobre determinados assuntos, e da minha percepção diária do que leio, vejo ou escuto. Indispensável, sempre, é minha caderneta inseparável (não é um caríssimo Moleskine, mas é parecido e resolve do mesmo jeito), onde vou anotando tudo o que me interessa, principalmente em viagens. Referências de livros, observações sobre lugares, e qualquer tipo de anotação pode se transformar em uma postagem no blog. O passo seguinte é vir aqui no WordPress e abrir uma postagem rascunho (draft), que vai sendo montada aos poucos, links vão sendo adicionados, até que tenha material suficiente para postar. Aí é só questão de colocar o texto em ordem, acertar a linguagem, arrumar uma imagem ilustrativa que possa ser usada, e temos uma postagem. Calculo umas 10 horas em média por postagem, desde o momento em que tenho a ideia até o instante em que clico no botão Publish aqui do lado. E não deixo somente um rascunho aqui, deixo vários, por exemplo nesse momento, tenho 20 drafts na fila, nem todos vão ser publicados, vou selecionando e publicando, e alguns eu simplesmente apago.

O blog tem uma linha editorial  que procuro seguir sempre. Por exemplo, postagens sobre assuntos políticos, nem pensar, não faço por nada. Esses temas são complicados demais, subjetivos,  tem que ter conhecimento em fundamentos de Ciência Política, e isso eu não tenho (ainda, estou me preparando). Os temas que seriam mais fáceis para mim, Engenharia de Software e seus desdobramentos, eu evito porque isso está nos bons livros disponíveis. Para escrever sobre eles aqui, só mesmo se for para expor uma outra visão do assunto, ou para contar experiências próprias, ou para explorar relações entre assuntos diferentes. Eu considero que os melhores assuntos estão nas relações entre temas e áreas diferentes. Mas tem que saber enxergar essas oportunidades e, mais ainda, tem que ter conhecimento para escrever sobre elas.

Um ponto negativo dos blogs, é que as postagens são sempre organizadas sequencialmente. Depois de algum tempo, como no meu caso com 332 postagens, como é que um leitor novo vai acompanhar alguma trilha de seu interesse aqui no blog? Fácil, o WordPress fornece a nuvem de tags, que aparece do lado direito da página inicial. Basta clicar numa das tags de interesse, e as postagens relacionadas vão aparecer (sequencialmente). Dai a importância enorme de classificar cada postagem adequadamente, facilitando seu acesso.  Obrigado a todos pelas visitas ao blog, e principalmente por terem conseguido ler até esse ponto!

(postagem sugerida pelo Gabriel Gazolla. Obrigado!)

(este artigo foi escrito por zeluisbraga, e postado no meu blog zeluisbraga . wordpress . com) (this post is authored by zeluisbraga, published on zeluisbraga . wordpress . com) (from Viçosa, MG)

Anúncios

Consultor Independente, Treinamento Empresarial, Gerência de Projetos, Engenharia de Requisitos de Software, Inovação. Professor Titular Aposentado, Departamento de Informática, Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais, Brasil. Doutor em Informática, PUC-Rio, 1990. Pós-Doutoramento, University of Florida, 1998-1999

Marcado com:
Publicado em Redes sociais, Reflexões
5 comentários em “Eu, blogueiro
  1. Eu que agradeço Zé, blogs como o seu, com assuntos variados e ponto de vista externalizado, são os mais bacanas para acompanhar, principalmente se for alguém da mesma área. Abraço!

  2. daniellainacio disse:

    Zé, como já disse uma vez, volto a repetir: quando eu crescer, quero ser uma “José Luis Braga”.
    Seu blog é uma inspiração pra todos nós.

  3. Paôla disse:

    Parabéns Zé! Estou acompanhando suas postagens. Muito interessantes.

  4. Victor Michel disse:

    É isso aí, Zé! Sempre acompanho o seu blog. Algumas vezes (como essa), deixo a postagem para ler depois mas nunca deixo de passar por aqui. Como o Willian Farago disse, é muito bom ler coisas de pessoas que tem um ponto de vista que muitas vezes foge do senso comum. Parabéns e siga em frente! Abraço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: