No teto do mundo

imagem Peguei a referência do livro No teto do mundo na revista Alfa, que leio regularmente. Descrito como livro de aventuras, escalada de alta performance e de superação, ótimos temas para uma leitura de férias que começariam no final de janeiro. Como é o estilo que me agrada, apostei nos comentários da revista e comprei o livro, que chegou logo. Dei uma primeira folheada, olhei as fotos, folheei de novo, e larguei outros livros que estava lendo e meti a cara neste livro, que se revelou fantástico, prazeroso, bem escrito, bem sequenciado, relatos vivos que transportam a gente para o ambiente das montanhas do Everest e do Aconcágua. E que me fizeram voltar para a geografia de colégio usando o aplicativo World Atlas da National Geographic para o iPad, que aproveito para recomendar, é ter o mundo nas mãos com um monte de informação de primeira qualidade.

O livro pode ser lido como apenas um livro de aventuras, que é o tema principal. Escaladas de montanha, perigos, escorregões, equipamentos, condicionamento físico, aclimatação, alimentação, botas triplas para neve, crampons, barracas, transporte de alimentos e equipamentos pelas montanhas, etc. Mas, na minha visão de engenheiro de software focado em gerência de projetos, o livro é antes de mais nada uma aula viva em planejamento e execução de projetos de alto risco e alta periculosidade. Lições e mais lições nessa área, embora nada tenha sido escrito com a intenção de ser lição de gerência de projetos. E ainda por cima, focado na colaboração, indispensável nesse tipo de aventura.

O monte Everest, como todos se lembram, fica na cordilheira do Himalaia, entre o Tibet e a China. Exatamente pelos riscos e desafios que oferece, é uma meta  perseguida, principalmente quando escalado na sua face norte, que é a voltada para o Ártico, mais fria e que recebe os ventos e nevascas mais fortes, apresentando os maiores desafios (razão do nome da marca de equipamentos de aventuras The North Face). O outro enorme desafio fica cá embaixo do globo, é o monte Aconcágua, que fica nos Andes entre o Chile e a Argentina, que tem na sua face sul o maior desafio de escalada, com um enorme paredão liso que tem que ser vencido.

O relato do livro é focado nas escaladas dos dois montes, e nas tentativas sucessivas do autor Rodrigo Raineri e seu parceiro Victor Negrete/Sueli Rumi de escalarem o Everest. Victor morreu numa das tentativas de escalada, numa passagem linda relatada no livro. Anotei algumas partes do livro, o que sempre faço com qualquer livro que leio com meu caderninho Tilibra do lado: para não se perder na natureza, tem que olhar para diante e para trás (o que se aplica muito bem na vida real); ponto de não retorno é o ponto a partir do qual só dá para ir adiante, não dá para voltar (ponto de decisão sobre risco máximo em uma escalada, ou vai ou racha); febre do cume, perda da capacidade de decisão diante da alta dose de adrenalina injetada pela possibilidade de chegar ao cume (também muito relacionado com a vida real); ética na montanha: quando ajudar o outro, ou deixar de ajudar?;  roubo de equipamentos e alimentos nas altas altitudes (onde tem ser humano, essas coisas vão acontecer sempre); efeito albedo: calor do sol em altas altitudes e na neve, é irradiado por todos os lados, calor chega mais rapidamente. 

O livro foi escrito a partir dos relatos e gravações do Rodrigo Raineri e Victor Negrete, e produzido por Diogo Schelp, editora Leya, São Paulo-SP, 2011. Rodrigo Raineri tem a empresa Grade6, dedicada aos esportes e turismo de aventura, vejam o site, vale a pena. E eu, se fosse mais novo e com mais energia, me arriscaria em alguma escalada com a equipe do Rodrigo, nem que fosse nas montanhas mais baixas das Minas Gerais. Everest e Aconcágua, só se for lá na base, primeiros metros, só para entender melhor os desafios.  Leitura mais que recomendada, aprendi demais.

Atualização 14/04/2012 Comentário sobre o  livro, coluna do Ricardo Setti, site da Veja.

(este artigo foi escrito por zeluisbraga, e postado no meu blog zeluisbraga . wordpress . com) (this post is authored by zeluisbraga, published on zeluisbraga . wordpress . com)

Anúncios

Consultor Independente, Treinamento Empresarial, Gerência de Projetos, Engenharia de Requisitos de Software, Inovação. Professor Titular Aposentado, Departamento de Informática, Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais, Brasil. Doutor em Informática, PUC-Rio, 1990. Pós-Doutoramento, University of Florida, 1998-1999

Marcado com:
Publicado em Dicas, Empreendedorismo, Livros, Saúde
2 comentários em “No teto do mundo
  1. Vou “costurar” minha “solteira” em sua “cordada” e acrescentar mais um pouco de motivação aos seus seguidores para que atendam à sua dica de leitura. Conheci Rodrigo Raineri em uma palestra sobre o Everest por ocasião da ADVENTURE SPORTS FAIR 2011 em São Paulo. Fala mansa, bem humorado e atencioso, Rodrigo é respeitado não só por seus feitos, mas pela capacidade de avaliar o risco e abortar escaladas. Acredito estar aí sua maior virtude. A despeito do investimento financeiro, pressão de patrocinadores e da proximidade do cume, desistir para voltar em segurança e tentar em outra oportunidade. É fato que a ausência desse discernimento já ceifou as vidas de vários alpinistas. NO TETO DO MUNDO narra algumas dessas histórias e como sou piloto de parapente vou destacar o capítulo – O SONHO DE VOAR – Raineri tornou-se piloto de parapente para buscar o sonho de decolar do pico de Everest. Vamos acompanhar esta aventura que certamente vai se confirmar. Aproveito para sugerir a você Zé Luís outro título que narra uma das histórias mais impressionantes de sobrevivência em alta montanha : TOCANDO O VAZIO de Joe Simpson. Trata-se de uma obra um pouco mais técnica a leitura depende de certo conhecimento de escalada, mas há um glossário que salva. Quanto ao desejo de testar seus limites, agendei para os dias 274 a 015 uma subida ao pico da Bandeira. Você é meu convidado.

    Costurar – Passar a corda pelo interior de um mosquetão preso à rocha

    Solteira – Corda curta que está fixada à cadeirinha do escalador e na outra extremidade é composta de um mosquetão.

    Cordada – Escaladores unidos por uma corda

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: