Isso não lhe pertence…

Os vários Fuscas (e outros carros) que tivemos na vida eram completamente nossos. Ia na loja, comprava e pagava, e estamos conversados. Era tudo hardware, tudo mecânico, não tinha nenhum software embutido exceto o que ia na cabeça do condutor. Para quem não sabe o que é Fusca, vejam aqui! Isso valia também para os demais carros da época. Mas, de uns tempos para cá, avanço da tecnologia, da inovação, internet, wifi, GPS, mundo conectado, etc., carros e outros dipositivos que usamos no nosso diário passaram a ter uma enorme quantidade de software embutido. Alguns menos, outros mais, mas o software está lá, controlando o carro, o avião, o relógio (não é mais relógio…), a central de comunicações e relacionamento que é o smartphone, o tablet, a geladeira, o fogão, o aquecedor, o elevador, o ar-condicionado, o marcapasso do seu coração (e outras próteses), os jogos no computador, a smart-TV, a boneca Barbie, e mais o que quiserem imaginar.

Abstract Vector Question Mark Colorful Symbol made from Splashes, Blots, Stains

E agora José? Eu entro na loja, compro o meu Tesla Model S (nos sonhos, claro), e afinal o que é que foi que eu comprei? Esse carro e quase todos os demais mais modernos, tem uma enorme quantidade de software de controle, controlando praticamente tudo, incluindo aceleração, frenagem, comunicações, etc. Se tirarmos o software do carro, não teremos nada funcional, exceto o hardware que não vale nada sem o software. Um verdadeiro sistema de controle (um sistema operacional), muitos baseados em Linux, controlando as funções do carro. E executando várias outras funções, como por exemplo envio de informações sobre o comportamento do carro em várias situações, desgaste de peças, informações sobre seu modo de dirigir, fotos de situações, etc. Sem contar o piloto semi-automático que fica lá na retaguarda, e que assume o controle se pressentir que alguma merda pode acontecer, evitando colisões e frenagens fora de hora.

E agora vem outra discussão interessantissima, que está começando a pipocar: compramos um equipamento inserido na IoT (Internet of Things), com número IP associado, e somos donos de tudo? As empresas que vendem o equipamento querem continuar tendo controle sobre o software que acompanha o equipamento, como já acontece com computadores, notebooks, smartphones, etc. Já pensaram nisso? quando você compra um smartphone da Apple por exemplo, você compra também o iOS que acompanha o equipamento? Embora para o consumidor pareça ser assim, as empresas acham que não, e entendem que estão nos fornecendo apenas a licença de uso do software que acompanha o equipamento. Por conta deste entendimento das empresas, é que com alguma regularidade recebemos atualizações dos sistemas iOS, Android, Windows, Linux e  outros. Que podem inclusive fazer o equipamento parar de funcionar, se o hardware não for atualizado, como acontece atualmente com os iPhone 4 e 4S, que apesar de serem muito bons, não rodam mais os iOS versões mais atuais, consequentemente não recebem mais atualizações e os app vão ficando obsoletos, até você encher o saco, arrumar uma grana e fazer outro investimento. Por  uma decisão única e exclusiva do fornecedor do sistema operacional do equipamento!

Esta é uma discussão que está se iniciando nos EUA, e os tribunais vão ter um enorme trabalho para conseguirem estabelecer o direito da questão.  Muitas variáveis estão em jogo, incluindo o complicado direito do consumidor que vai ter que ser atualizado tendo em vista os intangíveis com que lidamos atualmente. Quanto mais a IoT se tornar realidade, mais vamos ter esse problema que precisa ser bem entendido pelas cortes legais. Antes de algum político como os que temos por aqui resolver fazer uma lei legislando sobre a questão, e ai vamos ter o caos, exemplos recentes não faltam.

Inspiração: The internet of things we don´t own?, publicado na seção Law and Technology (Viewpoint) por Jason Schultz, journal Communications of the ACM (CACM) de Maio de 2016. 

(este artigo foi escrito por zeluisbraga, e postado no meu blog zeluisbraga . wordpress . com) (this post is authored by zeluisbraga, published on zeluisbraga . wordpress . com) (from Belo Horizonte, MG)

Marcado com:
Publicado em Economia, Inovação, Reflexões, Social

WWW, BI e Grafos Universais: organizando o conhecimento do mundo

http://umbel.org

                   http://umbel.org

Um Universal Graph é definido em matemática como uma superestrutura de grafos aninhados, construídos recursivamente. Isso para encurtar a conversa, a definição formal é muito mais complicada, mas vamos pular essa parte. De maneira mais inteligível e nada rigorosa, estamos falando de um grafo (ou rede) em que um bloco de informação anotado em um nodo pode ser conectado com outros nodos relacionados e assim sucessivamente, até que toda a informação disponível esteja integrada nesta estrutura.

Ontologias são uma base fundamental da inteligência artificial moderna, e foram  caracterizadas por Tom Gruber (Stanford University), pensando em seu uso prático na inteligência artificial,  como “uma especificação de conceitualizações, utilizada para auxiliar programas de computador e humanos a compartilharem conhecimento”. É um conjunto organizado de conceitos (coisas, eventos e relacionamentos) descritos de alguma maneira e utilizadas para estabelecer o vocabulário necessário para troca de informações. A ideia é a de que todo o conhecimento disponível sobre algum domínio específico possa ser organizado dessa forma. A partir de um conceito qualquer, todos os demais relacionados podem ser acessados também, estabelecendo o contexto semântico para cada conceito. De certa forma, estamos falando aqui também de grafos aninhados, que podem ter estrutura tão complexa quanto o conhecimento disponível no mundo real.

Agora vamos ao que interessa a esta postagem. Imaginem todo o conhecimento disponível na web conectado da forma de um grafo (ou ontologia) como o descrito acima. A partir de qualquer nodo deste grafo enorme, seria possível navegar para qualquer nodo que esteja conectado diretamente a ele, e  assim sucessivamente, passando  de um nodo a outro. Isso já não é grande novidade, porque em escopos mais restritos essa estrutura já existe e já é usada com sucesso para processamento de conhecimento em aplicações de inteligência artificial. Vamos aumentar o escopo um pouco, e vamos enxergar um pouco adiante, talvez ampliando os horizontes uns cinco anos aproximadamente. Teremos dispositivos incorporados à roupa, smartphone, carros, geladeiras, tablets, notebooks, sapato, tênis de corrida, e até no próprio corpo, monitorando tudo o que acontece e gerando um volume enorme de dados pessoais e do ambiente que nos circundar. Todos os dispositivos devidamente conectados à internet via redes móveis, todos com endereço IPv6 acessível, realizando a internet das coisas, IoT – Internet of Things.  Todos esses dados podem ficar disponíveis no grafo universal depois de devidamente processados e transformados em informação útil, utilizando técnicas de BI – Business Intelligence que já estão disponíveis. O cenário é este: um ultra-grafo com informações sobre qualquer coisa que tenha um endereço IP, com os nodos sendo enriquecidos com informações novas continuamente, a vida toda. Uma loucura, não acham? Mas, nem tanto assim, a tecnologia já está em parte disponível, ainda dependemos de alguns avanços (por exemplo internet banda-larga de verdade, ainda inexistente por aqui), que vão acontecer na medida em que forem economicamente viáveis. Para terem uma ideia mais rica do que estou tentando dizer aqui, sugiro esta leitura.

Enfim, o cenário que se visualiza em um horizonte médio de tempo, é aquele em informações sobre virtualmente qualquer coisa vão estar disponíveis para consulta e uso em decisões. Desde dados pessoais, ficha médica, remédios que você toma diariamente, onde prefere tomar sua cerveja de final de semana, quantos filhos tem, quanto ganha, preferências e hábitos. Isso no âmbito pessoal, no organizacional a coisa explodiria. Seria possível resolver problemas e fazer consultas de satisfação ou de preferências diretamente nessa superestrutura. Podem imaginar o que quiserem, será possível obter informações e tomar decisões autônomas, baseadas nas informações disponibilizadas. Claro, teremos que contar com um nível de segurança infernal, pois as informações podem ser usadas para o nosso bem (é o que se deseja) ou para nosso mal (é o que se deseja evitar ou bloquear). Como estamos falando de avanço tecnológico, não adianta muito espernear, se esconder, etc. , pois é questão de tempo (pouco tempo) para estarmos todos pendurados nessa rede universal. Que de certa forma, poderia ser chamado de um enorme cérebro universal, um big brother que tem toda a informação possivel sobre o mundo.

Bom, ainda fica faltando um pedacinho. Essa superestrutura é estática, ou seja, não tem capacidade “pessoal” de processamento e extração de conhecimento. É necessário que seja dotada desta capacidade, e as técnicas virão principalmente da inteligência artificial incluindo fortemente as técnicas de inteligência computacional, como redes neurais, algoritmos genéticos, etc., e da estatística. Que já são largamente usadas em dispositivos hoje, até em câmbio automático de alguns carros (sabiam disto?), permitindo uma mudança de marcha imperceptível e no momento certo. Para completar o entendimento, sugiro mais um artigo, da Singularity University, disponível aqui (aproveitem para explorar o sitio da Singularity University, recomendo demais). Uma previsão das tecnologias que estarão disponíveis nos próximos 8 anos, até 2025. Vocês vão entender que esse cenário que descrevi aqui não estão tão longe assim. E pode não ser tão ruim quanto possa parecer à primeira vista.

(este artigo foi escrito por zeluisbraga, e postado no meu blog zeluisbraga . wordpress . com) (this post is authored by zeluisbraga, published on zeluisbraga . wordpress . com) (from Belo Horizonte, MG)

Marcado com:
Publicado em Inovação, Reflexões, Social, Tecnologia

Realimentação negativa e as reclamações em excesso

Claro que o cenário político e econômico atuais não estão deixando margem para alegrias e pensamento positivo. Indicadores todos negativos, indústrias fechando em volume assustador, desemprego em alta, achatamento salarial, inflação fugindo ao controle, e vamos por ai afora. E mais claro ainda, podemos e devemos nos indignar contra tudo isso, afinal governantes não são eleitos para fazerem tanta coisa errada assim. O que os eleitores esperam é que a vida continue e que nosso país avance, sempre, ocupando o lugar de destaque que merece no cenário mundial.

Mas estamos assistindo a um excesso de negativismo e de reclamações, todo mundo reclama de tudo, é incrível. Se a maçaneta da porta esquerda traseira do lado do motorista  do carro do assessor do presidente está suja, então lá vem um mundo de conversas do tipo “estamos ferrados”, ou “esse aí vai fazer mais merda que o anterior”. Como se estivéssemos reclamando do técnico do nosso time de futebol preferido, já viram alguma concordância com relação a isso? e a escalação da seleção brasileira, já viram algum nível de concordância razoável? e não é por isso que os técnicos são trocados sem nem terem a chance de começar a implantar um  estilo ou tática?

negativefeedbackloopO fato inconteste, já comprovado pela psicologia da alegria e publicado em inúmeros bons livros, é que alegria gera alegria, e nosso objetivo na vida deveria ser esse. Não nos deixando levar pelo negativismo, que gera mais negativismo, reclamar faz mal ao nosso cérebro, vejam um artigo curto e interessante aqui. O ciclo que se estabelece é de desequilíbrio, com realimentação negativa: reclamação > sentimento negativo > reclamação > sentimento negativo…, que deve ser lido “reclamação leva ao aumento do sentimento negativo que leva ao aumento da reclamação que leva ao aumento do sentimento negativo…”, seguindo assim num ciclo de realimentação negativa que influi no aumento da raiva, do comportamento social, do sono, nos relacionamentos. Esse ciclo negativo leva, depois de algum tempo, a doenças da mente, e tem que ser interrompido para nosso próprio bem. A interrupção do ciclo depende em sua maior parte de nós mesmos, da nossa capacidade de entender as situações e de conseguir sair fora dela de alguma maneira, da nossa atitude perante a vida,  procurando ajuda se necessário.

Tenho lido muito sobre o assunto, bons livros, agora tenho tempo para ler o que me interessa, sem pressão. Por exemplo, tem o excelente livro Travels with Epicurus, que foi tema de uma postagem aqui no blog. Outro muito bom é o Flow (vejam aqui a postagem sobre ele), que desenvolve o assunto sobre maximização do prazer nas atividades cotidianas, e sobre as condições necessárias (todas muito simples) para atingirmos esse estado de superação. Enfim, há uma enorme diferença entre agradecer por tudo de bom que um dia nos traz, ou reclamar de tudo de ruim que um dia nos traz. Tudo depende de ponto de vista, de atitude, de alegria interna. Não é fácil de atingir esses estados, mas devemos tentar sempre.

(este artigo foi escrito por zeluisbraga, e postado no meu blog zeluisbraga . wordpress . com) (this post is authored by zeluisbraga, published on zeluisbraga . wordpress . com) (from Viçosa, MG)

Marcado com:
Publicado em Reflexões, Saúde, Social

Inovação e inovadores

Inovação é, antes de mais nada, um processo que depende de contexto, ambiente, colaboração, conversas, diversidade de ideias e de pessoas com formações diferentes no mesmo grupo,  pelo menos. Claro, ainda depende de inovações anteriores, pois dificilmente alguém saca uma ideia do zero, sem pelo menos tirar uma casquinha nas inovações que vieram antes, sem conhecer a história dos inovadores anteriores. Em tecnologia isto pode ser verificado com muita clareza, notoriamente quando se estuda a evolução rápida na área de computação como a conhecemos hoje.

Esta é a história contada no livro Os Inovadores: uma biografia da revolução digital, escrito por Walter Isaacson, autor conhecido por suas outras obras biográficas como o elogiado Einstein: sua vida, seu universo; Benjamin Franklin: an american life e o elogiadissimo Steve Jobs.  Começando por Ada Condessa de Lovelace e sua contribuição, passando por Herman Hollerith, Vannevar Bush, Alan Turing, 41JR53ryc5L._AA160_Howard Aiken, John Vincent Atanasoff, William Hewlett and David Packard, Konrad Zuse, John von Neumann, Grace Hopper, Gordon Moore, Robert Noyce, J.C.R. Licklider, Paul Baran, Douglas Engelbart, Alan Kay, Vint Cerf, Paul Allen, Bill Gates, Steve Jobs, Richard Stallman, Linus Torvalds, Tim Berners-Lee, Marc Andreessen, Larry Page e Sergei Brin, e vários outros. Algum nome conhecido dentre os citados acima? Todos têm contribuição forte no desenvolvimento da computação e dos computadores, formaram as bases para que os seguintes pudessem seguir adiante.

Marquei um monte de passagens do livro, para reler oportunamente (no Kindle ficam todas armazenadas no meu caderno de notas, ou MyClippings). Por exemplo, falando sobre a origem social dos computadores pessoais: “The roots of the personal computer can be found in the Free Speech Movement that arose at Berkeley in 1964 and in the Whole Earth Catalog, which did the marketing for the do-it-yourself ideal behind the personal computer movement.”   Mas quem poderia imaginar essa relação com o movimento hippie da década de 60? E é interessante, está bem relatado e documentado no livro. Quem diria! Outra parte muito interessante sobre o papel de alavancagem do VisiCalc (o avô das planilhas eletrônicas) sobre o Apple II: “VisiCalc comes alive visually… In minutes, people who have never used a computer are writing and using programs.” O impacto sobre a difusão do Apple II foi enorme, claro que microcomputadores têm que se apoiar no software para fazerem sucesso e atingirem seu mercado alvo.

Sobre a necessidade de competências complementares para habilitarem a inovação e sua difusão, falando sobre a parceria entre Robert Cailliau e Tim Berners-Lee: “They formed a partnership often seen in innovative teams: the visionary product designer paired with the dilligent project manager. Cailliau, who loved planning and organizational work, cleared the way, he said, for Berners-Lee to “bury his head in the bits and develop the software”.”  Uma passagem que me chamou muito a atenção, pois indica claramente como a Stanford University trata a questão das parcerias com a indústria: “This may have been a problem at universities where research was supposed to be pursued primarily for scholarly purposes, not commercial applications. But Stanford not only permitted students to work  on commercial endeavors, it encouraged and facilitaded it. There was even an office to assist with the patenting process and licensing arrangements.”  É um exemplo do ambiente que envolve a inovação em Stanford e que impulsionou totalmente o Vale do Silício, que muitos países tentam copiar como modelo. Mas se esquecem de copiar o resto do ambiente e as condições favoráveis que existiam e ainda existem por lá.

Recomendo especial atenção, se você for ler o livro, para o último capitulo, um fechamento muito interessante, muitas lições deixadas pelo autor.

(este artigo foi escrito por zeluisbraga, e postado no meu blog zeluisbraga . wordpress . com) (this post is authored by zeluisbraga, published on zeluisbraga . wordpress . com) (from Viçosa, MG)

Marcado com: , , ,
Publicado em Carreira, Inovação, Livros, Tecnologia

Merda não afunda

DSC00698O título da postagem está um pouco grosseiro, mas não achei palavra melhor e mais “educada” ou mais “social”. Expressa bem o que estou sentindo, e talvez também uma grande maioria da população de nosso país, sobre o que tem acontecido em nosso pobre e espoliado Brasil. Que não é privilégio só nosso, a corrupção é um mal que se alastrou pelo mundo afora, é problema para todos os países, o que muda é apenas o nível em que ela é praticada. A OECD – Organization for Economic Cooperation and Development  é uma organização mundial que congrega vários países, dedica um enorme espaço ao problema incluindo  regras de transparência e padrões para ajudarem a combater a propina e a corrupção nos países membros. Vejam aqui  a página específica sobre o tema, tem muito material de boa qualidade. Dados indicam que os países subdesenvolvidos perdem ao redor de 1 trilhão de dólares por ano com corrupção e propina, é dinheiro que não acaba mais, suficiente para ajudar a resolver enormes problemas nesses países (educação, saneamento, saúde, etc). A Transparência Internacional criou um indicador, o CPI – Corruption Perception Index, que  avalia e compara os indicadores em vários países, vejam o relatório de 2015 aqui (outros estão disponíveis no mesmo sitio web). No mapa da corrupção do CPI2015, nosso pobre país está colorido com vermelho forte, indicando altos níveis de corrupção, cliquem no mapa para verem os dados.

Mais uma das lições que passo adiante, que não me lembro mais onde vi ou ouvi, talvez tenha sido mais uma filosofia de vida do  Didi Mocó em algum programa Os Trapalhões: merda não afunda, merda bóia, e quando você menos esperar, lá vem ela boiando no ribeirão direto em cima de você.  Que procurei repassar a quem convive comigo, incluindo meus filhos e na  sala de aula a meus alunos. Muitas lições a tirar daí no meu entendimento, a principal remete a princípios morais, honestidade, respeito aos demais semelhantes e à natureza, ética forte, etc. Que infelizmente foram esquecidos pela maioria dos que pertencem a algumas gerações passadas, perderam a noção do certo e do errado, perderam as referências. O resultado é o que estamos vendo hoje no país, e que deve ser aproveitado como uma enorme lição a ser aprendida e passada adiante nas novas gerações. Corrupção generalizada, propina desenfreada, nenhum respeito por nada se o lucro estiver em jogo, nenhuma cerimônia com o que é público e a perversa mistura do público com o privado. Muita coisa aflorando, muita merda vindo por aí no ribeirão, cada uma que aparece vem mais uma fila de outras “filhotes” no mesmo rastro.

Vai sobrar disto tudo, além dos escombros que precisam ser reerguidos, uma enorme lição para as nossas gerações, espero passem a enxergar o mundo com outra ótica, melhorando seu filtro para enxergar a realidade. A certeza nunca vai estar disponível, a verdade menos ainda pois ela morre com quem perpetrou os atos ilícitos, nunca vamos conseguir saber os detalhes e os envolvimentos. A mudança tem que estar em nós mesmos, na rejeição total a qualquer ato de desonestidade e corrupção, e na nossa coragem para enfrentar o desonesto bloqueando a corrupção no seu nascedouro. Será que dá para encarar?

(este artigo foi escrito por zeluisbraga, e postado no meu blog zeluisbraga . wordpress . com) (this post is authored by zeluisbraga, published on zeluisbraga . wordpress . com) (from BH, MG)

Marcado com: ,
Publicado em Opinião, Social, ZeRaivoso

Plano de comunicações em projetos

Todo gerente de projetos concorda, sem vacilar, que o plano de comunicações é uma peça fundamental em todo e qualquer projeto, de qualquer porte, e com qualquer escopo. Projetos pequenos precisam menos, projetos grandes precisam mais. Estranhamente, é muito baixa a disponibilidade de material escrito de boa qualidade, que explore o assunto extensivamente, contrário ao que eu, pelo menos, esperava. Já procurei  muito, incluindo livros, e tudo gira em torno do que já está exposto no PMBOK – Project Management Body of Knowledge. Que, de fato, é suficiente para um primeiro entendimento e para lançar um padrão de conceitos e templates específicos para um primeiro passo em comunicações em projetos. Mas a maior parte dos gerentes de projeto acaba desenvolvendo o conhecimento necessário a partir da própria experiência em projetos, e depois de algum tempo dispensam as referências formais e desenvolvem as próprias ferramentas.

Abstract conception of network and communication, flow of information 3d

Abstract conception of network and communication, http://depositphoto.com

O objetivo de um plano de comunicações é, pelo menos: 1-listar todos os envolvidos no projeto ou organização, desde pessoas até grupos de trabalho, que tenham interesse ou relação com o andamento do projeto, tanto como receptores quanto geradores de dados e informações. Isto inclui o cliente ou seu(s) representante(s) no projeto, pessoal de Marketing da empresa, etc.; 2-listar toda e qualquer informação, formal ou informal, escrita ou falada, artefatos formais, mensagens de email, discussões em fóruns, produzidos ou recebidos pelo projeto, etc.; 3-relacionar 1 com 2, produzindo uma tabela em que cada interessado deve estar relacionado com a informação que deve fornecer ou deve receber; 4-associar tempo a cada cruzamento desta tabela, para deixar claro em que momento ou período de tempo que cada interessado deve ter acesso ou fornecer dados ou informações; -5-associar o dado ou informação também com cada cruzamento, deixando claro quem deve saber o que e quando. Curto e grosso, é isso, deve ter faltado alguma coisa na minha lista ai, mas no atacado, acho que não faltou.

Um outro detalhe normalmente não tratado nos planos de comunicação, é determinar o formato adequado para a informação a ser distribuída. Por exemplo, para os desenvolvedores é importante saber imediatamente as mudanças em requisitos, alterações em artefatos técnicos (diagramas, histórias de usuários, erros detetados, falhas em testes, etc.), pois a não disseminação desses dados compromete o desenvolvimento subsequente. Parte dessa informação deve também chegar ao gerente de projeto, que tem que acompanhar e ser responsável por todo o andamento do projeto. Mas, consideremos por exemplo um “gerente dos gerentes…”, um Diretor de Projetos, responsável por uma área inteira com vários projetos em desenvolvimento. Certamente, para esse Diretor não interessam as mudanças de nível operacional nos projetos, que ocorrem com muita frequência. O que ele tem que enxergar sempre, e manter sob controle, são os planos de projeto, os atrasos, impactos financeiros, as mudanças de planejamento ocasionadas por mudanças nos requisitos, por erros, por alterações internas não planejadas no projeto decorrentes do próprio desenvolvimento, etc. E se subirmos na hierarquia administrativa da empresa, se houver, o nível de detalhe vai encolhendo, sendo necessário outro tipo de apresentação da informação, talvez em períodos de tempo mais longos.

Bom, então o problema é mais complicado do que simplesmente fazer uma ou mais tabelinhas utilizando planilhas, e estamos acertados. Além de ter que gerar todas as tabelas de relacionamentos que citei acima, ainda resta fazer a tabela funcionar, ou seja, a comunicação planejada tem que ser executada. E aí a porca torce o rabo, pois estamos falando de outro mundo paralelo de softwares disponíveis para comunicação, cada alternativa com um uso especifico, não temos um pacote milagroso que faça tudo automaticamente (ainda, e é um nicho de negócios interessante): Wiki, chats, fóruns, pastas de projeto, relatórios específicos para a alta gerência com gráficos e tabelas demonstrativos, etc. Vamos usar chat para tudo, por exemplo? Qual ferramenta se aplica melhor à gerência de projetos, qualquer uma serve? Lembrem-se sempre de que estamos falando de comunicação, que significa via de mão dupla. Comunicação vai e vem, ela chega ao receptor e este tem que indicar que recebeu ou então responder adequadamente, para que não restem dúvidas de que os fluxos de informação estão sendo executados e que a informação está chegando aonde deveria chegar.

Claro, sem entrar nos detalhes, espero que já tenha ficado claro que não é nada trivial lidar com o plano de comunicações e garantir sua execução adequada. Dependendo do tamanho e escopo do projeto, pode ser necessária uma estrutura  gigantesca para comunicações, por exemplo em projetos com grupos de trabalho multinacionais, geograficamente distribuídos, já pensaram nisso? Para projetos pequenos, nem tanto, uma planilha e poucos fluxos de informação resolvem satisfatoriamente. Recomendo o material disponível aqui, para um tratamento mais técnico e detalhado do assunto.

(este artigo foi escrito por zeluisbraga, e postado no meu blog zeluisbraga . wordpress . com) (this post is authored by zeluisbraga, published on zeluisbraga . wordpress . com) (from Viçosa, MG)

Marcado com:
Publicado em Educação, Engenharia de Software, Gestão de riscos
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.239 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: